Bom gosto? Designer alemã faz sapatos com os restos mortais de corpos de animais

Odair Araujo | terça-feira, novembro 05, 2013 | 0 comentários

Os sapatos das imagens são feitos pela designer alemã Iris Shieferstein. Os calçados são realmente criados a partir de corpos de animais.



Em uma de suas criações ela usa cascos de cavalo e parte da pele, alguns outros são feitos, frequentemente, com cobras, pombos e outros tipos de aves.




Ela produz pares de sapatos exclusivos. A designer de 45 anos concorda que suas criações não são exatamente confortáveis, mas ela diz usar suas criações diariamente. Os sapatos são destinados para o “prazer estético”. Segundo ela, suas criações já foram exibidas em exposições em todo mundo, especialmente pela marca Dolce & Gabanna, na qual ela criou uma série exclusiva. Mas até o momento, nenhuma empresa teve coragem de patrocinar uma série em grande escala para o público em geral.


Para criar seu estilo único de calçado, Iris começa recolhendo partes de animais mortos de seu amigo. Ela comenta que seu amigo “açougueiro” a ajuda com os animais e não é nenhum “susto” mexer com este tipo de material, visto que não é incomum encontrar carne de cavalo, por exemplo, em alguns países, disponível para venda em supermercados.



Ela leva cerca de uma semana para retirar toda a carne da carcaça e os ossos do animal. A pele precisa ser preservada, por isso é enviado para o curtidor. O próximo passo é definir o aproveitamento da pele em torno do sapato. Se ela usar partes do cavalo, o casco é usado como uma peça inteira. Após vários meses de reorganização e de costura, o produto final está pronto para exibição e/ou uso.

Algumas de suas coleções mais notáveis incluem um par feito de casco de cavalo, sem salto, na qual a pessoa precisa equilibrar-se pelos seus dedos. A artista é extremamente entusiasmada com suas obras: “Quando uso sapatos feitos de pombos de verdade, sinto como se estivesse voando”, comenta.


FONTE: R7.com

Category:

0 comentários

CADA PESSOA SE RESPONSABILIZA PELO QUE FALA.